Gravando a buril em matrizes de guatambu de topo, Márcio Pannunzio constrói em formatos diminutos cenas intrincadas, onde o desenho labiríntico borda teceduras delicadas em pulsão caótica, exigindo do observador uma postura paciente e concentrada.

   Aproximam-se de requintadas iluminuras, sendo, no entanto, bizarros instantâneos de um universo singularmente humano. Para criá-los, Pannunzio manipula com polaridades antagônicas:  o mínimo e o máximo, o denso e o frágil, o belo e o escabroso.

 

O tamanho mínimo de sua gravura comporta o máximo de informação visual; a imagem complexa é estampada em um papel fragilíssimo, quase translúcido; a beleza de seu traço meticuloso camufla situações dantescas.

Todos os direitos reservados. Fotos e criação: Márcio Pannunzio 2016

xilosindividuais recentes
biografiacomo?outros

visite também www.marciopan.com